Sexta, 01 de agosto de 2014
Movimentos Sociais
15.02.2012
Comunidades indígenas do Panamá seguem em pé de luta
Adital

As comunidades indígenas do povo Ngöbe Buglé de Panamá se mantêm em pé de luta, enquanto esperam nesta quarta-feira a retomada do diálogo com o Governo do presidente Ricardo Martinelli, quando se tentará chegar a um acordo sobre a possível construção de hidrelétricas nas terras dos originários.

Consultado pela Agência Venezuelana de Notícias (AVN), Saúl Méndez, da Frente Nacional pela Defesa dos Direitos Econômicos e Sociais (Frenadeso) do Panamá, assinalou que por hora "se avançou com relação às exigências do povo Ngöbe Buglé”.

O dirigente assinalou igualmente que existem "manobras por parte do Governo para tratar de confundi-los, mas a mobilização do povo Ngöbe Buglé e de suas organizações solidárias se mantém, por isso há vigílias em todas as partes do país”.

Desde a quarta-feira passada as comunidades indígenas e o Executivo mantém uma mesa de diálogo na Assembleia Nacional, onde discutem as exigências dos povos originários.

O povo Ngöbe Buglé repudiou desde o princípio a instalação de hidrelétricas em suas terras ancestrais, em consequência disso acordou com o Governo que a atividade mineira em suas comarcas e áreas anexas será vetada.

Após vários dias de protesto, entre 5 e 7 de fevereiro, as comunidade foram duramente reprimidas pela polícia, o que ocasionou dois manifestantes assassinados, cerca de 50 feridos e mais de 100 detidos. Méndez manifestou que os povos originários ainda mantém denuncias, "que se estendem até o grau de violações de meninas indígenas e abusos a mulheres” por parte dos uniformizados.

"Há pessoas que os povos declararam como desaparecidas, além dos processos judiciais que estão abertos contra os dirigentes indígenas”, afirmou o integrante do Frenadeso.

Méndez afirmou que "as comunidades, pelo que manifestaram, estão em pé de luta. O que seus porta-vozes disseram publicamente é que vão manter a mesma posição se o Governo não ceder às suas reclamações”. Assegurou que o povo Ngöbe Buglé está "dando uma cátedra de dignidade, de luta social e de moralidade. Creio que nosso povo originário removeu o mais sentido do povo panamenho, por isso o povo está solidário com as comunidades originárias”.

A notícia é de Frenadeso.

Link permanente:
Ao publicar em meio impresso, favor citar a fonte e enviar cópia para:
Caixa Postal 131 - CEP 60.001-970 - Fortaleza - Ceará - Brasil
Início
Adital na Rede
Notícias mais lidas (nos últimos 7 dias)
  1 2 3 4 5